TEXTOS

Twitter
Facebook

A imprensa e a conta da inflação

09/05/2011 | Comentários (0) | Por: Altamir Tojal

Veiculado no Observatório da Imprensa em abril de 2011.

É recorrente a dúvida sobre a propriedade inflacionária das notícias e comentários sobre ameaças de descontrole de preços. A questão voltou agora, com os índices perto de 6,5% ao ano, o limite superior da meta do governo, e o debate sobre o melhor jeito de segurar o dragão. A imprensa está exagerando e botando lenha na fogueira?

A inflação é um tema crucial na vida de todos, principalmente do trabalhador. Mais inflação significa menos comida para os mais pobres, menos acesso à educação, pior qualidade de vida no presente e menos oportunidades no futuro.

Salário menor

A definição mais simples de inflação é salário menor a cada dia pelo mesmo trabalho. Para fazer conta redonda, se a inflação chegar a 10% ao ano, o assalariado vai trabalhar três dias de graça no último mês antes do reajuste. É um roubo, que poderia ir para as páginas de polícia.

Não parece razoável, portanto, querer que a imprensa trate a inflação com delicadeza, para evitar especulação, como também não é boa ideia esconder o Massacre de Realengo, para não estimular outros psicopatas.

O que merece reflexão na cobertura da inflação é a abordagem pseudocientífica. Tem muito economês e matemática, mas os maiores interessados ficam boiando sobre a razão do aumento da conta do supermercado e mais ainda sobre as alternativas de solução.

Ganhadores e perdedores

A cobertura predominante não dá conta do jogo de ganhadores e perdedores. Enquanto o assalariado perde, os investidores ganham. No final de um ano, com 10% de inflação, cada trabalhador de salário mínimo vai estar perdendo R$ 54,50 por mês. Quando o governo sobe os juros em 1%, os investidores ganham mais R$ 15 bilhões por ano, considerando a dívida interna de R$ 1,5 trilhão. Estes são apenas dois exemplos.

A discussão hoje está centrada no suposto dilema entre aumentar mais os juros ou apertar o crédito, entre outras medidas “macroprudenciais” (que nome!). O segundo caminho parece ser o preferido do governo e do Banco Central, porque sacrificaria menos o ritmo de crescimento econômico.

O problema é que não dá para confiar em nenhuma das duas saídas. O Brasil já paga a maior taxa de juros do mundo e desconfia-se que as tais medidas “macroprudenciais” equivalem a enxugar gelo, diante da enxurrada de dólares, do aumento do petróleo e da volta da indexação.

Esgotamento do pacto

Tudo indica que essa incerteza pode ser sintoma de um processo que vai além do debate econômico. Trata-se do esgotamento do pacto entre os bancos (e grandes empresas) e o governo, que assegurou, por um lado, lucros (acumulação de capital) nunca vistos no país, e, por outro, frouxidão nas contas públicas para garantir poder eleitoral.

Se isso for verdade, a tarefa que se coloca para a mídia é ainda mais complexa que descobrir causas, debater soluções e revelar ganhadores e perdedores no jogo da inflação. Será preciso articular tudo isso com a guerra política.

Pudor excessivo

Participei, na semana passada, com um breve depoimento, do Programa Observatório da Imprensa, na TV Brasil, que discutiu a cobertura da inflação pela mídia. Ancorado pelo jornalista Alberto Dines, houve um debate com o professor Luiz Roberto Cunha (PUC/RJ), o editor de economia Pedro Cafardo (Valor Econômico) e o colunista Vinicius Torres Freire (Folha de São Paulo).

Guardei desse programa a impressão de que fontes e jornalistas estão tratando do tema com pudor excessivo. Creio que há confiança demais nas técnicas à disposição do governo. E há pouca reflexão sobre a complexidade do problema. A volta da inflação é hoje uma ameaça real no Brasil e é um problema grave e difícil.

Perda de cidadania

A vitória sobre a inflação, nos anos 90, foi tão importante para os brasileiros quanto a redemocratização, na década de 80. A redemocratização trouxe a cidadania política. A estabilidade da moeda trouxe a cidadania econômica.

Com a inflação os pobres perdem muito, a classe média sofre, mas se defende, e os ricos ganham. Além das implicações econômicas e políticas, a inflação significa degeneração moral. Ao perder a referência do valor do dinheiro, a pessoa também perde dignidade e cidadania.

Publicado no Observatório da Imprensa em abril de 2011.

É recorrente a dúvida sobre a propriedade inflacionária das notícias e comentários sobre ameaças de descontrole de preços. A questão voltou agora, com os índices perto de 6,5% ao ano, o limite superior da meta do governo, e o debate sobre o melhor jeito de segurar o dragão. A imprensa está exagerando e botando lenha na fogueira?

A inflação é um tema crucial na vida de todos, principalmente do trabalhador. Mais inflação significa menos comida para os mais pobres, menos acesso à educação, pior qualidade de vida no presente e menos oportunidades no futuro.

Salário menor

A definição mais simples de inflação é salário menor a cada dia pelo mesmo trabalho. Para fazer conta redonda, se a inflação chegar a 10% ao ano, o assalariado vai trabalhar três dias de graça no último mês antes do reajuste. É um roubo, que poderia ir para as páginas de polícia.

Não parece razoável, portanto, querer que a imprensa trate a inflação com delicadeza, para evitar especulação, como também não é boa ideia esconder o Massacre de Realengo, para não estimular outros psicopatas.

O que merece reflexão na cobertura da inflação é a abordagem pseudocientífica. Tem muito economês e matemática, mas os maiores interessados ficam boiando sobre a razão do aumento da conta do supermercado e mais ainda sobre as alternativas de solução.

Ganhadores e perdedores

A cobertura predominante não dá conta do jogo de ganhadores e perdedores. Enquanto o assalariado perde, os investidores ganham. No final de um ano, com 10% de inflação, cada trabalhador de salário mínimo vai estar perdendo R$ 54,50 por mês. Quando o governo sobe os juros em 1%, os investidores ganham mais R$ 15 bilhões por ano, considerando a dívida interna de R$ 1,5 trilhão. Estes são apenas dois exemplos.

A discussão hoje está centrada no suposto dilema entre aumentar mais os juros ou apertar o crédito, entre outras medidas “macroprudenciais” (que nome!). O segundo caminho parece ser o preferido do governo e do Banco Central, porque sacrificaria menos o ritmo de crescimento econômico.

O problema é que não dá para confiar em nenhuma das duas saídas. O Brasil já paga a maior taxa de juros do mundo e desconfia-se que as tais medidas “macroprudenciais” equivalem a enxugar gelo, diante da enxurrada de dólares, do aumento do petróleo e da volta da indexação.

Esgotamento do pacto

Tudo indica que essa incerteza pode ser sintoma de um processo que vai além do debate econômico. Trata-se do esgotamento do pacto entre os bancos (e grandes empresas) e o governo, que assegurou, por um lado, lucros (acumulação de capital) nunca vistos no país, e, por outro, frouxidão nas contas públicas para garantir poder eleitoral.

Se isso for verdade, a tarefa que se coloca para a mídia é ainda mais complexa que descobrir causas, debater soluções e revelar ganhadores e perdedores no jogo da inflação. Será preciso articular tudo isso com a guerra política.

Pudor excessivo

Participei, na semana passada, com um breve depoimento, do Programa Observatório da Imprensa, na TV Brasil, que discutiu a cobertura da inflação pela mídia. Ancorado pelo jornalista Alberto Dines, houve um debate com o professor Luiz Roberto Cunha (PUC/RJ), o editor de economia Pedro Cafardo (Valor Econômico) e o colunista Vinicius Torres Freire (Folha de São Paulo).

Guardei desse programa a impressão de que fontes e jornalistas estão tratando do tema com pudor excessivo. Creio que há confiança demais nas técnicas à disposição do governo. E há pouca reflexão sobre a complexidade do problema. A volta da inflação é hoje uma ameaça real no Brasil e é um problema grave e difícil.

Perda de cidadania

A vitória sobre a inflação, nos anos 90, foi tão importante para os brasileiros quanto a redemocratização, na década de 80. A redemocratização trouxe a cidadania política. A estabilidade da moeda trouxe a cidadania econômica.

Com a inflação os pobres perdem muito, a classe média sofre, mas se defende, e os ricos ganham. Além das implicações econômicas e políticas, a inflação significa degeneração moral. Ao perder a referência do valor do dinheiro, a pessoa também perde dignidade e cidadania.



Comentários

Nenhum comentário para esse texto.
Deixe seu comentário agora.

Campos marcados com * são de preenchimento obrigatório

Digite os caracteres da imagem no campo abaixo

LIVROS

Livro Oasis

OÁSIS AZUL DO MÉIER

Oásis azul do Méier reúne oito histórias com diversidade de temas, ritmos, vozes e construções narrativas. Em comum, o encontro do insólito com o trivial.



Livro faz que não vê

FAZ QUE NÃO VÊ

O romance Faz que não vê é um thriller político sobre as Aventuras e conflitos de um ex-guerrilheiro no submundo dos negócios e da política.

ESTE MUNDO POSSÍVEL © | Todos os direitos reservados.
Todos os textos por Altamir Tojal, exceto quando indicado.
Antes de usar algum texto, consulte o autor.